DESENVOLVIMENTO PESSOAL

O que podemos aprender com a Selecção Portuguesa de futebol

Em 2016, a Selecção Portuguesa ganhou o campeonato europeu. Estes foram algumas coisas que aprendemos com a sua vitória.

Domingo dia 10 de julho de 2016 foi um dia história para este pequeno país do sul da Europa. Portugal ganhou o Euro 2016, uma vitória que sabe a muito para um país que vibra com o futebol.

Ontem ganhámos em grande e foi uma vitória que soube muito bem, depois de os últimos anos termos chegado ao desespero com as dificuldades económicas, políticas e sociais que desmoralizaram o país.

Com esta vitória no campo desportivo que incendeia um país inteiro de alegria, vamos ver que lições podemos tirar da Selecção portuguesa e do seu percurso neste campeonato europeu.

Primeiro, a fé tem de estar lá

Fernando Santos, Cristiano Ronaldo, Quaresma. Estas e outras personalidades falaram sobre a fé que tinham de que a taça seria para Portugal. A fé, aquela crença inabalável que não cai mesmo nas maiores dificuldades, é uma força inexplicável.

Como sabemos, a fé é algo que nos inspira a lutar e a persistir durante as maiores dificuldades. É uma força que nos faz continuar a sonhar. Neste caso, a fé inspirou os atletas a jogar até ao fim da corrida e saíram de lá com o maior prémio.

Ler mais: O que é a Resiliência?

Nada se faz sem trabalho

Trabalho, trabalho, trabalho. A obra portuguesa não foi feita com apenas alguns meses de trabalho. Foram anos e anos de preparação da equipa, do apoio técnico, da federação.

Esta é outra coisa que podemos aprender com a selecção portuguesa. Que as concretizações levam anos de trabalho antes. Toda esta preparação vem muito antes de 2004. É possível ver que em 12 anos muito foi feito para criar um grupo dinâmico e coeso que trabalha em equipa e em sintonia.

E mesmo durante a competição, a fé e o trabalho são uma combinação fortíssima. Se continuarmos a trabalhar mesmo quando achamos que não vamos conseguir, vai chegar a sítios nunca antes imaginados.

Juntos somos mais fortes

guarda redes de preto a defender a baliza
Photo by Giorgio Trovato on Unsplash

Separados cairemos, unidos venceremos.

Apesar de se dizer que há um jogador melhor que todos os outros e que carrega a equipa às costas, Portugal provou que é uma equipa.

E uma equipa é um colectivo de 11 jogadores em campo que trabalham em conjunto para atingir um objectivo em comum. Não é só o melhor do mundo que marca, há uma equipa defensiva que ofende o adversário para ele não passar. O guarda-redes guarda a sua posição sem ter medo de nada, os outros jogadores que estão a meio campo e nas alas que passam a bola aos colegas. E depois os colegas lá à frente que esperam por uma oportunidade para marcar o derradeiro golo.

Esta é uma verdade absoluta nos desportos coletivos. Uma verdade que podemos aprender com a Selecção Portuguesa e usá-la no plano empresarial. Juntos como uma equipa somos mais fortes, vamos mais longe e concretizamos sonhos. Com a mentalidade certa e com 11 ou mais cabeças a trabalhar para o mesmo, o resultado é um colectivo a ir para a frente.

Os impossíveis são possíveis

Perder o maior marcador aos 30 minutos numa final de uma taça europeia poderia levar ao desespero de muitos.

Os jogadores poderão ter chegado ao balneário sem qualquer esperança de trazer o título para casa. Havia ali aquela peça essencial que também era um forte motivador e trunfo para ganhar o jogo final.

Contudo, Cristiano Ronaldo ficou mais de metade do jogo fora. E ganhámos ainda assim. Porquê? Porque o futebol é feito de 11 jogadores e não só de um. É mais uma prova do excelente trabalho de equipa, a união do grupo e a motivação da equipa técnica. Os milhares de fãs portugueses em casa também foram uma motivação extra para a selecção continuar a acreditar.

E quando o sonho se concretiza, podemos lembrar que os impossíveis têm um bocadinho de possível.

Há que ter um líder forte e presente

Toda a equipa precisa de um líder para os guiar.

Fernando Santos é um líder incontestável que lidera pelo exemplo e pelo respeito. O seleccionador teve a postura de um líder com um objectivo claro e uma estratégia para lá chegar. Tinha todos os recursos ao dispor e não faltava nenhum jogador para contribuir para este grande feito.

Já Cristiano Ronaldo continuou a ser capitão mesmo fora das quatro linhas. Sofreu tanto quanto os seus colegas em campo e motivou-os como se estivesse a jogar com eles. Não parou de os abraçar, de os encorajar, de querer passar-lhes energia positiva. Nunca perdeu o foco para que pudessem fazer por ele aquilo que ele não ia conseguir fazer. Logo, no final celebrou a vitória com os seus colegas, porque mesmo tendo “ficado para trás”, ele próprio continuou a seguir a sua equipa e a sua equipa puxou-o para ele os poder acompanhar.

Ler mais: Não se Chega a Líder, Torna-se Líder

O que podemos aprender com a selecção portuguesa

Para além da celebração de um título muito importante no futebol, devemos olhar bem para o percurso da Selecção portuguesa e perceber como também podemos alcançar os nossos objectivos.

Assim, temos de ter uma grande fé de que vamos conseguir, trabalhar em equipa, estarmos focados no objectivo, ultrapassar os obstáculos e nunca desistir. Quando lá chegarmos, celebrarmos a nossa vitória porque todo o trabalho duro merece uma festa em grande.