VIDA

Dá para ser uma extrovertida introvertida?

Sempre fui extrovertida, mas talvez tenha hábitos de pessoa que gosta de calma e de estar sentido. Em que é que ficamos?

Quando se coloca a questão: “és extrovertida ou és introvertida?”, nunca tive dúvidas quanto à resposta: sou 100% extrovertida.

Sou aquela pessoa que, quando me conheces, posso ser a pessoa que é simpática sempre, mas parece que entra a pés juntos, pois não me conheces de lado nenhum e parece que estou a ser intrusiva. Para outras pessoas, posso ser logo a tua melhor amiga, que rapidamente se junta nas tuas parvoíces e “é uma luz da festa”.

Sim, é essa a resposta, extrovertida sempre.

Nas piores metáforas, sou claramente um “cão” à procura do raio de sol e que fica deprimida com a chuva. Passear só porque sim sem destino é um bom programa, sem ter controlo sob as horas ou se me vou perder. Não gosto de estar parada e a forma mais fácil de morrer é de aborrecimento. A vida é sinónimo de experiências, vivências, histórias, memórias de episódios que sabe-se lá como aconteceram.

Prefiro sempre os animais fortes e destemidos. Prefiro sempre o rebelde que tem a língua afiada. Gosto de quem desafia o status quo e quem é divertido. Gosto de quem gosta de falar pelos cotovelos e que tem milhões de ideias todos os segundos. Sou energia em vez de calma.

Sim, sempre fui extrovertida, mas com o tempo noto que tenho hábitos de introvertida.

Na passagem de ano não fiz nada porque não sou de sair à noite. Uma das coisas de que mais gosto é chegar a casa e ler. Ler apenas, ler livros e ler revistas. Fico entusiasmada a estudar cursos online. Tenho 50 notas (como esta onde escrevo) de artigos para escrever no blog e estou entusiasmada para chegar ao PC e escrever.

Um bom programa é estar sozinha em casa e fazer as minhas coisas. Um outro bom programa é pegar nos fones e ir caminhar. Um outro outro bom é explorar centros comerciais sem intenção de comprar alguma coisa. Gosto desta independência sem pessoas. Gosto de estar no meu canto e gosto da energia dos outros.

Será que isto é compatível? Será que dá para ser extrovertida com hábitos de introvertida?

Dá para ser um gato com uma cauda que abana sempre que vê sol, atividade, pessoas, novos programa para fazer?

Dá para ser aquela pessoa que faz pouco exercício físico, mas há uns dias correu 5 quilómetros? A pessoa que queria passar os sábados de manhã cedo a praticar desporto e à tarde quer devorar páginas de livros?

A sujeita que há uns dias queria apenas beber chá no sofá e noutro dia explorar todos os rooftops e brunches da cidade? Que uns dias quero fazer todas as viagens do mundo e noutros dias uma roadtrip a costa da Caparica bastava? Que é workaholic, mas que as férias só são férias se desligar completamente de tudo o que é relacionado com trabalho?

Se calhar é mesmo assim. Vivemos todos numa escala em que uns são 100 por cento e outro são 80 por cento.

Se calhar a pureza das coisas não está ao nosso alcance e seremos sempre um misto de muitas ideias (que o Donald não leia este texto que ele não gosta de mixed coisas, só com a Coreia e a Rússia – see what i did there? Comédia e política no mesmo saco num blog pessoal, porque esta cabeçinha tem demasiadas coisas dentro).

Extrovertida, sempre, introvertida em casa? Ou uma nova extrovertida, mas com alma velha de introvertida? É o que quiserem chamar, o que vale é que vivo bem assim.