CARREIRA, DESENVOLVIMENTO PESSOAL

4 aspetos a ter em conta para escolher a tua licenciatura

Cada vez mais pessoas vão para a universidade e por isso mesmo escolher a tua licenciatura é uma decisão importante. Tem estes aspetos em conta.

Quando falo em temas de carreira ou de formação para melhorar a carreira, não posso deixar de falar de universidades.

A minha licenciatura já foi há uns anos e se fosse hoje talvez não escolheria a mesma. Ou melhor, até escolheria, pois não saberia o que era melhor para a minha vida e fiz a escolha certa, pois escolhi uma paixão e um talento que tenho. Apostei no cavalo mais forte, mas não certamente no cavalo vencedor.

Contudo, as licenciaturas em 2010 eram diferentes das licenciaturas em 2020 (uau, é mesmo uma diferença de 10 anos, o tempo passa, blá, blá, blá). Ainda estávamos com o chip de uma licenciatura equivalia automaticamente a um melhor emprego na área escolhida. A crise trocou-nos bastante as voltas quando saímos da faculdade, mas ficamos bem. Anos depois, alguns têm carreiras e outras têm trabalhos. Muitos não ficaram no Jornalismo, mas encontraram outras coisas para fazer.

Em 2020 ainda vale a pena fazer uma licenciatura?

Esta pergunta é fonte de inspiração para artigos ou vídeos para falar sobre o mundo universitário e como a licenciatura não livrou muitas pessoas do desemprego nos piores anos. No meu caso, escrevi que a licenciatura deve ser vista como um princípio de uma jornada, e não o fim.

A licenciatura tem conhecimentos técnicos que podem ser úteis em várias áreas e também é uma experiência que te dá ferramentas para entrar no mercado de trabalho. Além disso, as instituições de ensino superior também se estão a adaptar às necessidades das empresas e os seus cursos têm sido melhorados, com o aumento de oferta de pós-graduações e de mestrados para requalificar os colaboradores.

Se estás a pensar ir para a universidade, certamente já deves ter pensado no que precisas de saber ou como escolher um curso. Há vários fatores que deves ter em conta, pois uma escolha mais ou menos certa vai-te facilitar grandemente no início do mercado de trabalho. Conhece estes aspetos.

Escolhe algo de que gostes

rapaz de gorro a escrever um esquema num quadro branco

Estamos em 2020. Não é a cena do coaching, ou a cena do pensamento positivo. A verdade é que passamos mais de metade da semana ou 1/3 do nosso dia no local de trabalho. Se estás a fazer algo de que não gostas, vais ver que estás a viver para algo que te deixa infeliz.

Assim, no meio de muitas áreas para escolher, escolhe um assunto que te interesse. História, Economia, letras, números, investigação, qualquer um. Este deve ser o ponto de partida, para que tenhas um emprego ou uma carreira com sentido.

Joga com os teus pontos fortes

O talento é a características que todas as empresas procuram. E o que é o talento?

Há quem acredite que o talento é inato e outras pessoas que dizem que ele vai-se ganhando com o tempo, em que todas as competências são treináveis. Na escolha da licenciatura, aposta nos teus pontos fortes. És desportista ou és bom a escrever? Gostas mais de números ou de construir coisas?

Se tiveres alguma experiência no mercado de trabalho (por trabalhos de verão) ou se te sentes bom em alguma coisa, aposta por aí.

Verifica os níveis de empregabilidade

Os teus pais podem-se focar muito neste ponto e têm alguma razão! Olhar para os níveis de empregabilidade é um fator que não deves desconsiderar.

A ideia é juntar a tua paixão, o teu talento e com um bom nível de empregabilidade. Assim, tens algum conforto de que vais estudar algo que te vai dar ferramentas que serão valorizadas no mercado de trabalho.

Se escolheres uma área que tem níveis mais baixos, porque não ver algo mais abrangente? Por vezes, os cursos escolhidos podem funcionar melhor como área de especialização, pelo que se escolheres o curso geral, ficas com bases sólidas para teres mais hipótese de escolha.

Pensar em algo abrangente tem essa vantagem.

Podes aprender um pouco de tudo e ao final de 3 anos escolher melhor uma área específica que queiras seguir. É diferente escolher Ciências de Comunicação e Jornalismo, por exemplo. Na primeira escolha, vais aprender coisas sobre Marketing e RP, que, caso gostes e tenhas jeito, podes seguir. Já na segunda escolha, tornas-te logo especialista em algo.

O mesmo se passa com os cursos de Gestão ou Engenharia. Ao serem pouco específicos, apresentam-te as competências bases e depois podes escolher uma área de especialização que preferes. Assim, consegues fazer uma escolha menos comprometida com o teu futuro e também experimentar coisas que me tinhas pensado gostar.

Pesa o custo VS benefício

Sim, vale a pena ir para a faculdade, mas há um custo associado que não pode ser ignorado.

As propinas em universidades públicas rondam os 3000€ pela licenciatura inteira. Contudo, se estudares fora de casa, terás ainda de contar com despesas de arrendamento, refeições, transportes e fotocópias. Assim, não é difícil encontrar famílias que façam créditos universitários para que os seus filhos possam estudar.

Os trabalhadores estudantes podem também ser um exemplo de que a universidade tem um custo elevado (ou alguns querem apenas fazê-lo para obterem experiência laboral o mais cedo possível).

Por outro lado, as notícias continuam a dizer que os licenciados ganham mais que os não licenciados, pelo que a universidade pode ser um bom contributo para a tua estabilidade financeira.

Deve também olhar para o custo do ponto de vista do tempo que demoras a concluir a tua licenciatura. Quanto mais tempo demorares, mais tarde entras para o mercado de trabalho e mais dinheiro estás a gastar.

Assim, deves fazer as contas e pesar o custo para o benefício que vais ter. Para mim, o dinheiro investido em formação é sempre bem gasto, por isso verifica o que te

A verdade é que as médias não são assim tão cruciais e cada vez mais valoriza-se a experiência.

Tirando a parte de estudo, a licenciatura é um investimento que podes ter uma experiência diferente.

Deves ver o lado da diversão e de conhecer pessoas, mas também o lado de aprendizagem e de estudar para adquirir ferramentas importantes para o mercado de trabalho. Escolhe o teu ritmo para que a experiência universitária seja plena e consciente