Os Maus Hábitos Que Tenho Como Adulta

A vida adulta traz algumas vantagens. O primeiro carro, o primeiro salário, as primeiras férias pagas, o começo da independência financeira.

Quando nos sentimos mais adultos, há uma série de decisões que tomamos diariamente que influenciam a nossa vida. Com mais liberdade, começamos a ter novos hábitos, que podem ser bons ou não.

As nossas rotinas são importantes para termos mais equilíbrio na nossa vida. O ser humano é uma criatura de hábitos e a maioria dos nossos dias vivemos em piloto automático, sem pensarmos bem em cada acção. Esse hábitos podem ser na área da saúde ou até mesmo financeira, o que nos pode ajudar a aproveitar bem o tempo.

Mas se há uns tempos percebi que tinha bons hábitos que me permitiam viver bem, nos últimos meses notei que adquiri maus hábitos.

Estes maus hábitos aconteceram porque entrei em piloto automático e não notava como estavam a afectar a minha rotina.

Penso que arranjamos maus hábitos simplesmente porque estamos confortáveis assim. Fazemos uma ou duas vezes algo e sentimo-nos bem. Quando tentamos desfazer o hábito, estamos a ir contra a nossa rotina, o que nos causa estranheza e voltamos a ter os mesmos comportamentos.

Acho que adquiri estes maus hábitos porque não queria tomar o caminho mais difícil. Ser focada e ter disciplina são maneiras eficazes de ter sucesso mas também não são fáceis de cumprir no longo prazo. Contudo, nem tudo está perdido. O bom de começar-se um bom hábito é que no princípio estranha-se mas depois entranha-se. Aquilo que parecia impossível de alcançar depois torna-se natural e quando vemos os resultados positivos, não há como voltar a ter maus hábitos.

Os maus hábitos que ganhei não são nada de que me orgulhe. Acho que qualquer pessoa que tenha noção de que tem um mau hábito sabe exactamente o que está a fazer e porque o está a fazer. Assim que nos apercebemos deste mal, é parvo continuarmos a insistir no mesmo comportamento. Mas como não é fácil mudar, vamos fazendo os mesmos erros, até mudarmos o chip e querermos ser melhores.

Aqui ficam alguns maus hábitos que desenvolvi nos últimos meses, por preguiça:

1 – Tomar o pequeno-almoço fora

Sempre tomo o pequeno-almoço, como bom hábito, mas comecei a comer o pequeno-almoço fora de casa. A minha desculpa é que acordava mais cedo para tomar o pequeno-almoço em casa e ficava com fome de manhã, o que me fazia gastar mais dinheiro. Assim, dormia mais uns minutos, chegava ao trabalho, saia para comer e só voltava a comer ao almoço.

É uma desculpa, porque podia preparar toda a marmita que precisasse no dia anterior, sem gastar nada durante a semana. Quando mudei de trabalho recentemente, a primeira coisa que fiz foi procurar o café mais próximo e perceber se podia tomar o pequeno-almoço lá. Foi assim que notei que já estava a desenvolver um mau hábito. E comecei a pensar em todo o dinheiro gasto em pequenos-almoços, que poderia ter servido para as minhas próximas viagens.

Para contrariar o mau hábito, comecei a levar comida para o trabalho e a deixá-la na copa. Assim, todos os dias de manhã chego mais cedo e tomo o pequeno-almoço a custo zero – a carteira agradece!

2 – Não jantar

Se por um lado tomo sempre o pequeno-almoço, eliminei o jantar e fico em jejum várias horas à noite. Isto teve a ver com uma fase mais intensa da minha vida, em que sentia que não tinha tempo para nada. O stress tirava-me a fome e como não queria cozinhar ou gastar dinheiro em jantar fora, lanchava perto das 20h e não comia até à manhã seguinte.

Apesar de ter emagrecido alguns quilos, é mau ficar muitas horas sem comer e colocar o corpo em jejum sem ser controlado. Além disso, se jantasse, seria sempre algo menos bom, algo mais «rápido», barato e pouco saudável.

Nos últimos meses, comecei a comer de forma diferente e como pelo menos sopa à noite. Ter os nutrientes certos faz-me dormir melhor, acordar melhor e consequentemente trabalhar melhor.

3 – Não fazer exercício

Acho que este é um hábito comum a vários adultos. Durante o período escolar ou na faculdade, temos tempo para actividades físicas e outros desportos. Quando começamos a trabalhar, inscrevemo-nos num ginásio mas todos desistimos passadas algumas semanas pelas mesmas razões de falta de tempo. Conheço também pessoas que já cancelaram a inscrição no ginásio mas inscreveram-se meses depois, para cancelar novamente pelas mesmas razões.

Já estive em quatro ginásios diferentes, já corri na rua e já treinei em casa. Atualmente, com o trabalho, blog, cursos online, passear e estar com amigos, o exercício físico fica para segundo plano. Caminho todos os dias mas não tenho um ritmo semanal de treino. Ter uma actividade física ajudar-me-ia a ter mais energia e a sentir-me mais forte e confiante. Além disso, é um excelente momento para desligar e relaxar do stress do dia-a-dia.

4 – Acordar e mexer logo no telemóvel

Sentia-me orgulhosa por acabar as noites a ler, acordar e só pegar no telemóvel quando tomava o pequeno-almoço. Agora sou aquela pessoa que acorda e passa dez minutos sentada na cama a fazer scroll nas redes sociais. É um péssimo hábito que nunca quis ter mas comecei a tê-lo porque queria aproveitar o tempo antes de sair de casa para me atualizar com algumas notícias ou publicações de amigos.

A verdade é que ainda não fiz nada para mudar este hábito. Ligo-me às redes para responder a mensagens e para publicar uma frase inspiradora no Instagram (podem acompanhar no @rita_erregrande). O desafio está em apenas ligar o telemóvel depois de tomar banho e vestir-me, a ver se ponho este hábito em prática o mais brevemente possível.

 

Todos temos maus hábitos e é importante reconhecê-lo e perceber o impacto que tem nas nossas vidas. Ainda assim, é sempre bom tempo podermos mudar as nossas rotinas para serem mais equilibradas, pela nossa saúde mental, física e também financeira.

Artigos criados 209

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo