Minimalismo: está na hora de arrumar o armário

Arrumar roupa
Less is more, diz o armário.

Verão rima com diversão? Rima, mas rima ainda mais com arrumação!
Tirei um fim-de-semana destes dias de calor para dar fazer duas coisas muito importantes: organizar o meu quarto e entrar num armário mais minimalista.

Há 3 regras básicas para arrumar um armário de mulher:

  • Tirar toda a roupa para fora.
  • Colocar a roupa em três montes: o monte do “uso sempre”, “usei há menos de um ano”, “usei há mais de um ano”.
  • Experimentar as roupas dos dois últimos montes e escolher a roupa a ficar e a roupa a dar.

Desta vez, o objetivo não era só arrumar a roupa mas efectivamente livrar-me de roupa que eu sabia que não iria vestir.

Todos os anos, faço uma vistoria ao meu armário e de ano para ano descobria roupa que ainda não tinha usado nesse ano e dizia para mim: «olha uso esta semana e começo a usar mais vezes.»
Mas isto não ajuda em nada, porque continuamos a acumular tralha que não nos preenche que nem utilizamos.

Um ano depois, e com a influência minimalista em mim, fui mais rígida. Desta vez, se eu efectivamente não usava a peça há mais de um ano, ia logo para dar. Porque o objetivo mudou. O objetivo não é ter muita roupa ou ter roupa para quando precisar um dia. O objetivo é ter apenas a roupa que é realmente necessária.

arrumar roupa

Outra coisa que aprendi quando fiz a minha arrumação do armário é que guardamos muitas coisas sempre a pensar que um dia podemos precisar delas. Acho que este nosso desejo de querermos fazer colecção de tudo vem de gerações passadas. Os nossos avós viveram num tempo difícil de escassez e por isso os bens materiais para eles são uma prova de concretização, de poder de compra, de sucesso, de riqueza. Quem tem mais bem materiais, mais dinheiro tem, logo mais rico é.

Actualmente, acho que a tendência inverte-se. Já não faz sentido estarmos apegados a um casaco ou a uns sapatos se eles não vão ser utilizados e que se nós realmente precisarmos, podemos simplesmente ir à loja mais próxima e comprar. O consumo a retalho massificado permite-nos estar em qualquer parte do mundo e se nos faltar uma escova de dentes ou uns ténis, podemos comprá-los rapidamente numa loja ou até comprar online.

Assim, a minha abordagem foi simplesmente dar. Se não utilizo, se está em bom estado, dar a quem mais precisa. Fico com mais espaço para as coisas de que gosto e ajudo alguém que realmente precise da peça de roupa.

Este armário sinto-me mais contente com a arrumação do meu armário: está mais arrumado, mais limpo e com espaço para coisas que realmente interessam. 

  • Tenho que fazer a limpeza ao meu armario.
    Cada vez mais acho que é só preciso o essencial!
    Para quê 6 t`shirts da mesma cor? Milhares de ténis e casacos idênticos?
    Irei dar o excesso de roupa e apenas guardar o que realmente uso! =)

  • Sigo completamente o mesmo pensamento que tu! Achava que não havia espaço na minha casa e cada vez menos gostava dela. Agora com a arrumação, o meu armário parece melhor, não demoro tanto tempo a arrumar ou a limpar, e a escolha de roupa diariamente é muito mais rápida – porque tenho a melhor roupa comigo, o resto vai para quem precisa!