Qual é a tua referência feminina?

Tenho um especial cuidado de falar sobre mulheres, feminismo e girl power. Mas não tenho nenhuma referência digna disso.

Estava a escrever um post e queria colocar a imagem de algum empreendedor para ilustrar o tema.
Primeiro pensei no Elon Musk porque aquele é o gajo do futuro.
Depois pensei que tinha de colocar uma mulher e ia escrever a Oprah. Mas depois queria uma pessoa mais jovem e não tinha referências.

Gosto de empreendedorismo, da inovação tecnológica, de Recursos Humanos, de Desenvolvimento Pessoal, de Carreiras Profissionais, de Minimalismo, de Fotografia, de imensas coisas. E todos esses interesses aparecem aqui no Erre mas sempre com um grande foco – o feminismo.

É impossível não falar de mulheres, porque eu sou uma, e porque vivo vários desafios que se colocam às mulheres, quando se fala de carreiras profissionais, empresas, desenvolvimento pessoal. E como falo muitas vezes em empreendedorismo, é fácil referir muitos homens: Gary Vaynerchuck, Cristiano Ronaldo, Murillo Leal, Warren Buffet, Martin Luther King Jr, Steve Jobs, Tony Robbins.

Já quando se fala de mulheres, posso referir escritoras no Medium, Jornalistas e, claro, a Emma Watson. E ainda uma série de mulheres interessantes que referi no post do ano passado sobre o Dia Internacional da Mulher.

Isto é a constatação de um facto horrível: sou péssima quanto à paridade entre géneros, porque as mulheres estão muito mal representadas neste espaço – e isto deveria ser um espaço sobretudo para mulheres.

Não vou colocar a desculpa de que existem mais homens empreendedores conhecidos do que mulheres porque isso é só uma desculpa (e uma péssima desculpa, digo-vos já).

O problema que se coloca aqui é o facto de eu não ter referências femininas na minha carreira. Por agora.

A primeira referência feminina de adolescente foi a Avril Lavigne. Porque gosto de música e ela era a rapariga mais fixe do planeta: tocava guitarra, escrevia as suas próprias canções e não dançava como as outras. Parecia-me mais real do que qualquer outra artista pop e quando fosse grande queria ser como era.

Óbvio que cresci e as referências foram mudando, olhando mais para o jornalismo ou para alguma celebridade britânica, porque eu tinha a maior inveja das pessoas que viviam na minha cidade de sonho.

Com a minha entrada no mercado de trabalho e o meu interesse no empreendedorismo, procurei por referências mais directas, de mulheres de sucesso nas suas empresas, como a Sheryl Sandberg, ou mulheres mais jovens, como a Sophia Amoruso, que tinham a mesma experiência que eu de crise, ausência de reforma, desemprego.

Fui-me inspirando e motivando aqui e ali mas estes últimos dias a realidade caiu-me: como é que eu não tenho uma referência feminina mais directa?

Pensar na Oprah é o alto de qualquer carreira e puxa pela minha costela de jornalismo.
Pensar na Emma Watson é pensar em alguém da minha idade que vive o mesmo que eu mas numa realidade de exposição pública bastante diferente.
Pensar na Sheryl Sandberg é pensar numa senhora fantástica e de exemplo de superação da dor mas com uma vida de mãe e mentora bastante diferente da minha.
Pensar na Emma Stone é pensar que ela é só a pessoa mais cool do mundo – mas eu não sou milionária desde os 11 anos.
Pensar em algum amiga que has-it-all é pensar que eu também consigo fazer tudo.

Como é que eu passo dias e dias a ler e a ouvir homens a falar sobre carreira e não dedico o meu tempo a ouvir mulheres a falar? Porque é que não oiço a Sophia Amorouso e o seu podcast mais vezes? Porque é que ainda não li coisas da Gloria Steinem? Porque é que não tenho nenhuma referência de mulher jovem e empreendedora nos dias que correm?

Todas as que encontro são de mulheres mais velhas na área do entretenimento, como a Amy Poehler, a Jessica Alba, a Tina Fey…onde é que anda a miúda de 26-27 anos que já teve um emprego normal e que teve de sair da sua zona de conforto para concretizar os seus sonhos?

Quem souber referências, por favor, diga-me, urgentemente, para poder me informar e conhecer os bons novos talentos que andam por aí.

  • Ahah! Também fui mega viciada na Avril Lavigne.
    Em relação a referências, ultimamente tenho ouvido muito a Alexi Panos (casada com o Preston Smiles que eu também gosto de ouvir). Depois há uma série de pessoas que me inspiram a fazer diferente!
    Vou também procurar pelas senhoras que falas e que ainda não conheço.

  • A Avril era a cena mais fixe do mundo até eu crescer um bocadinho 😛

    Vou apontar essa para ver, obrigada 😀

TORNA-TE GRANDE!
Subscreve à Grandeza
Recebe em primeira mão dicas e novidades sobre Carreira, Empreendedorismo & Motivação!
Quero ser Grande!
Sem SPAM, porque quero que recebas conteúdo útil. Experimenta!
close-link